Frutos tropicais

Mal se levantou no ar a hipótese de nos mudarmos para a Malásia que uma série de incógnitas se apoderaram de mim…
Acontece em cada mudança mas, desta vez, aconteceu com mais força. Sabia que seria tudo muito diferente e, apesar de estar sempre motivada e tentar encarar as coisas com o máximo de positivismo, há sempre uma série de receios que se instalam.
Porém, o destino Malásia apresentava-me duas certezas: boas praias e boa fruta! E era nisto que pensava sempre que as questões se acentuavam:“Vai ter praias maravilhosas e vou-me fartar de comer frutas malucas!”
Cada um agarra-se ao que pode para manter a sanidade, praias e frutas, até que são coisas bem inofensivas.

De modo que, mal cá me apanhei, tenho comido fruta que se farta e procuro sempre trazer para casa coisas diferentes, para ir experimentando. E são essas frutas diferentes que vos tenho mostrado, de vez em quando, no Instagram e que aguçam sempre a curiosidade. “Isso sabe a quê?” é a pergunta que me fazem mais e, neste caso, não posso dar aquela resposta universal: “Galinha!”

Mostro-vos aqui algumas das minhas preferidas e aquelas que acho que são mesmo muito diferentes.

Na lista das preferidas, tenho:
dragon fruit: existe com o interior branco, ou rosa. E não, o rosa, não é o branco depois de maduro. Os meus preferidos são os rosa, porque são super doces;
mangustão, muito doce e sumarento. É um pesadelo para descascar, mas ADORO;
anona, que ao que parece só eu é eu é que não conhecia nem nunca tinha provado. Sabe a rebuçados, dos bons.

As mais estranhas:
Snake fruit, descasca-se como se estivéssemos a tirar a pele a uma cobra e, por dentro, tem gomos que parecem dentes de alho gigantes. O sabor é um pouco acre e, ao início, parece horrível. Mas depois o palato acostuma-se e torna-se saboroso;
Rambutan, que tem este aspecto “despenteado” e se assemelha muito a uma lichia em temos de consistência e de sabor;
Jaca, também conhecida pela fruta “mata-homens”, no Brasil. As jacas crescem até um tamanho exorbitante. Sabe um bocadinho a resina, mas é adocicada e muito boa.

 

Para terminar, o super-estranho:
(Tão estranho que ainda não consegui provar)
Durian: o fruto mais mal-cheiroso do mundo.
Uns, dizem que é doce, outros, dizem que adormece a língua…eu, não sei… Ainda não tive coragem de provar porque o cheiro nauseabundo me tem sempre demovido. Mas ainda vou ganhar coragem.
Curiosidade: Descobri que Jakarta é chamada de “The big durian”, pelos expatriados, numa associação com Nova Iorque e “big apple”. Talvez deixe a experiência de provar este fruto para quando me mudar para lá…

No que diz respeito a frutas, tenho explorado muito bem a Malásia, já no que toca às praias, ainda tenho muito trabalho a fazer e não sei se ainda vou a tempo…

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos relacionados

Digite acima o seu termo de pesquisa e prima Enter para pesquisar. Prima ESC para cancelar.

Voltar ao topo