O caixote é o melhor amigo da criança

Por mudarmos de casa com alguma (“alguma?”…ah, ah, ah) regularidade e, porque comprarmos muita coisa pela net, temos sempre imensos caixotes.
E o caixote, além de ser muito atractivo para gatos (toda uma internet a comprovar isto), também o é para as crianças.
Numa tentativa de reaproveitar e de ter brinquedos que não faz muito mal estragar, comecei a dar-lhes uso para fazer uma série de brincadeiras com a Inês.

Partilho convosco seis exemplos, no caso de os quererem pôr em prática:

caixote_11. O caixote só por si
A Inês, começou por se entreter a brincar dentro do caixote das fraldas. Pode parecer uma brincadeira simplória, mas os bebés adoram isto. Entrar e sair do caixote, estar dentro do caixote, fechar-se dentro do caixote…uma emoção.
Actualmente, gosta de se sentar dentro do caixote com os lápis de cera e colorir o interior do mesmo. Também gosta de virar o caixote ao contrário, subir e saltar em cima dele…para minha desgraça, que estou sempre à espera que ela aterre de cara no chão…

tenda_12. Uma tenda
Quando viemos para esta casa, passámos a ter uma tenda feita de caixotes.
Na verdade, são dois caixotes abertos, colados um ao outro com fita cola grossa e cobertos com um sari que trouxe da Índia (qualquer tecido ou lençol velho serve). Lá dentro, tem umas almofadas e uma luz que faz estrelas.

fogão_13. Um fogão
Forrei a caixa com papel pardo (que era de embrulhar coisas na mudança) e desenhei os botões e bicos do fogão com corrector. Pus washi tape nas esquinas (só para ficar mais bonitinho), cortei uma porta de forno com x-ato e usei um pedaço de fita para fazer a pega (era uma alça de um saco de compras). Fiz isto em 10 minutos, daí o ar pouco “profissional”.
Este forno com fogão, é acompanhado por um tabuleiro de bolachas feito com a tampa de uma caixa de sapatos. As bolachas de gengibre (também de cartão) foram desenhadas com a ajuda de um cortador de bolachas e decoradas com corrector.
Um sucesso!
cama_a4. Uma caminha de bonecas
Cortei uma caixa em forma de cama e forrei com papel autocolante branco. Decorei com autocolantes e washi tape.
O colchão é uma almofada de ar (das que vêm dentro das encomendas) e a manta de lã, em crochet, também fui eu que fiz. Estão em progresso uns lençóis e uma colcha.
O único problema desta cama, é que a Inês fica chateada de ser para a boneca e não para ela…já se tentou deitar lá dentro umas quantas vezes. Não vai durar muito, mas não faz mal…

lua expressiva_a5. Esta lua expressiva (não arranjei um nome melhor…sorry!)
Esta lua foi feita a partir de um caixote de fraldas.
Desenhei, cortei e pintei as peças que se podem pôr e tirar porque têm bolinhas de velcro.
Quando brincamos com isto, costumo ter um espelho por perto e vamos fazendo também nós as expressões “triste”, “zangado”, “contente” , “pirosa” (para a dos lábios pintados), etc. Fartamo-nos de rir.
Dos seis exemplos, este foi que me deu mais trabalho porque me entusiasmei um bocado com os pormenores e com os acabamentos. Mas, se quiserem fazer, não precisam de ser tão perfeccionistas. Uns rabiscos com caneta de feltro em cada uma das peças fazem o mesmo efeito. E o velcro também não é essencial.
cubos_a6. Cubos com letras e números
Estes cubos, foram feitos com caixinhas de cartão quadradas.
Tal como no caso do fogão ali de cima, forrei-os com papel pardo, pus washi tape nas arestas e depois, pintei os números e as letras com acrílico e retoquei com caneta correctora branca.
Para já, são mais decorativos que outra coisa, mas a Inês acha piada a atirá-los de um lado para o outro e um dia há-de identificar as vogais e os números.

As minhas vizinhas Americanas, que têm as casas cheias de brinquedos (CHEIAS), ficam malucas (num misto de horror e “ah, tão simples, que boa ideia!“) quando vêem que eu incentivo a minha filha a brincar com lixo. Sim, porque além dos caixotes, dou uso a mais coisas que normalmente seriam para deitar fora.

Eu, adoro e acho que a Inês também.
Vocês, escandalizam-se, ou acham boa ideia?