O dia em que eu conheci a Primeira Dama da Malásia

Eu sei que não é nenhum feito histórico, nem nada que seja assim muito relevante ou que vá mudar a minha vida (muito menos a vossa), mas a sério, qual é a probabilidade? Qual é a probabilidade de EU, que nasci no Portugal rural, atrás do Sol posto, estar algum dia na mesma sala que uma das figuras mais queridas da Malásia?

Hoje, não só estive na mesma sala com, como dei (literalmente) uma mãozinha à Primeira Dama da Malásia. E estou a escrever sobre esse episódio porque tenho a certeza que vai ser uma daquelas histórias giras de recordar daqui a uns anos:

 

Num minuto estava a limpar as lágrimas e o ranho com a despedida da Inês na escola e, no minuto seguinte, estava a dar a mão à Primeira Dama.

 

A vida política da Malásia, desperta-me muito interesse e até um certo fascínio. Especialmente, por causa de todos os acontecimentos recentes com as últimas eleições em que os Malaios elegeram o Primeiro Ministro mais velho do mundo. Este pormenor da idade e muitos outros, fizeram com que a cena política Malaia continuasse com contornos de telenovela (antes tinham um PM alegadamente muito corrupto), mas agora com um daqueles finais em que os maltratados se sentem vingados.

As cenas dos próximos capítulos ainda estão a decorrer mas, para já, o povo está feliz e, a dar a cara pela Nação, estão duas figuras muito adoradas: o Primeiro Ministro Tun Dr. Mahathir bin Mohamad e a sua mulher Dr Siti Hasmah Mohamad Ali. Ambos na casa dos 90 e considerados como relationship goals (a sério, vejam estas fotos).

 

Como eu acabei a manhã de hoje de mão dada com a Primeira Dama da Malásia, Tun Dr. Siti Hasmah Mohd Ali

Também conhecida como Mother of Malaysia, Hasmah, é uma mulher muito adorada e respeitada por todos os Malaios. Foi uma das primeiras mulheres a graduar-se em Medicina no país e teve vários papéis de relevância política em governos anteriores. Defensora das mulheres e apaixonada pelas crianças, apesar da idade avançada, é comum deslocar-se para assistir a eventos relacionados com temas que envolvam estes grupos.

Tinha-vos contado que decidi celebrar a despedida da Inês da escola com uma festinha com os colegas de turma, certo?! Mas, hoje também era o dia em que os alunos que terminam o infantário tinham a sua festa de finalistas. E foi assim, que esta manhã, a convite da família de uma colega da Inês (que tem relações próximas com a senhora) a Primeira Dama da Malásia foi à nossa escola.

Confesso que eu não reconheci a senhora e que precisaram de me explicar quem era e o que se estava a passar. Mas, ao vê-la sair de um carro blindado, com pirilampos, rodeada de seguranças e com uma roupinha cor-de-rosa toda aperaltada (sua imagem de marca), dava para perceber que era alguém muito importante. Até porque as funcionárias da escola e restantes convidados da festa de finalistas, estavam com o maior ar de deslumbre que possam imaginar. Todos queriam tirar fotos com a Primeira Dama e todos a cumprimentaram com a maior reverência usando a forma tradicional Malaia que consiste em agarrar a mão da pessoa mais importante com as duas mãos e tocar com ela na testa, fazendo uma ligeira vénia.

Acompanhei a chegada da senhora à escola, acompanhada da minha mãe e do Pedro, meio incrédula, e depois segui a minha vida. Foi já só quando regressámos para ir buscar a Inês que o meu grande momento aconteceu. Como referi, a senhora tem muita idade, anda com dificuldade. À saída, caminhou pelo meio das pessoas com a ajuda daqueles por quem ia passando. Eu estava no caminho, segui o gesto de todos os outros e estendi-lhe também a mão para a amparar e ela, agarrou-a. A Primeira Dama da Malásia, deu-me a mão.

Não sou apologista de tirar fotos com figuras publicas ao estilo “colecção de cromos”, acho sempre que as pessoas se sentirão incomodadas e que isso não é a melhor forma de mostrarmos admiração ou algo de bom por alguém. A única foto que tirei foi a que usei ali no cabeçalho e que era mais para captar a tranquilidade da senhora e o caos à sua volta, do que a pessoa em si. Mas a senhora estava tão na boa com a euforia e as selfies que ainda tentámos a nossa sorte, apenas para registar o momento com uma foto da Inês com tão ilustre figura. Só que, a sorte não estava do nosso lado.

A Primeira Dama aceitou tirar a foto, mas…a Inês é a Inês e, ao contrário de todos os outros, não estava nem aí para a Princesa e não lhe deu essa honra…

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos relacionados

Digite acima o seu termo de pesquisa e prima Enter para pesquisar. Prima ESC para cancelar.

Voltar ao topo