Rita @ BrazilRita @ Brasil

Rita @ Brasil

BrazilDuração: 10 dias
Destinos: Rio de Janeiro, Chapada Diamantina & Praia do Forte (Salvador)
Deslocações: avião, táxi, vans & bus
Alojamento: hotéis reservados via Booking
Mês: Dezembro (2011)

O tempo aqui em Toulouse tem estado muito, muito frio. As temperaturas têm oscilado entre os -5º e os 10º. Sair de casa é agora um processo complicado a nível psicológico e envolve casacos de penas, luvas, tapa-orelhas, cachecóis quentinhos e gorros.
De certa forma, todo este frio, pôs-me a pensar nos sítios que já visitei em meses de Dezembro já passados e onde a tempertaura era bem mais agradável.
Facilmente cheguei à conclusão que o Dezembro mais quentinho que já tive foi o de 2011, quando visitei o Brasil pela primeira vez como turista (já tinha visitado antes mas em trabalho).
E é disso que vos vou falar hoje, na esperança de me ajudar a mim e, a todos vocês que estejam também a lutar contra o frio, com algumas das minhas recordações bem solarengas.

Se planearem uma viagem ao Brasil, vão passar um mau bocado para decidir exactamente onde começar. Sendo um país enorme e com tanta coisa tão diferente para ver, não é fácil decidir (especialmente se tiverem pouco tempo). Mas uma coisa é certa, não vão querer perder o Rio de Janeiro.
E foi exactamente por aí que começámos esta nossa viagem.
Tínhamos 10 dias para viver o Brasil e sabíamos que queríamos combinar cidade, natureza e uns dias de descanso na praia.
Antes de irmos e, de forma a rentabilizarmos ao máximo os nossos 3 dias no Rio, contactámos um taxista português, o fantástico Zé Pena (amigo do pai de um amigo de um amigo) para que nos fosse esperar ao aeroporto e nos levasse a conhecer os pontos mais importantes da cidade.
Aterrámos muito cedo e cansados de muitas horas de voo, mas o Zé Pena estava fresco que nem uma alface e não tinha tempo a perder. Levou-nos ao nosso hotel para deixarmos as malas e trocarmos de roupa e aí fomos nós num private tour super completo pela cidade.
Sem dúvida que esta foi uma óptima forma de visitar a cidade já que o nosso motorista/guia/amigo/patrício, conhece a cidade como ninguém, bem como todas as histórias acerca de tudo e mais alguma coisa.
Este nosso primeiro dia, foi uma autentica montanha russa em que visitámos São Conrado, Rocinha (uma das muitas favelas), o Cristo Redentor, Copacabana, Ipanema,  Barra, Santa Teresa, Arpoador, Sambódromo, o centro da cidade e o Pão de Açúcar (o meu sítio preferido do Rio).
rio 1

{ Cristo Redentor }

{ Cristo Redentor }

{ Lagoa Rodrigo de Freitas }

{ Lagoa Rodrigo de Freitas }

{ Sambódromo }

{ Sambódromo }

{ BOP @ Rocinha }

{ BOPE @ Rocinha }

{ Pão de Açúcar }

{ Pão de Açúcar }

{ Catedral Metropolitana de São Sebastião }

{ Catedral Metropolitana de São Sebastião }

Quando finalmente regressámos ao hotel, estávamos muito (MUITO) cansados mas, com a certeza que não perdemos nem um bocadinho da cidade maravilhosa.

No segundo dia, fomos até à praia perto do nosso hotel em São Conrado, fizemos umas compras perto de Copacabana, passeámos pela Lagoa Rodrigo de Freitas para ver a árvore de Natal iluminada e jantámos pelo centro.

{ São Conrado }

{ São Conrado }

{ Calçadão }

{ Calçadão }

{ Christmas tree @ Lagoa Rodrigo de Freitas } // { Árvore de Natal @ Lagoa Rodrigo de Freitas }

{ Árvore de Natal @ Lagoa Rodrigo de Freitas }

No terceiro dia, o nosso querido Zé Pena veio ter connosco depois de almoço e levou-nos ao museu da Republica, à Feira de São Cristóvão (uma feira que pretende preservara a cultura Nordestina) e ao final do dia, deixou-nos na Lapa para jantarmos e bebermos uma caipirinha.

{ Feira de São Cristovão }

{ Feira de São Cristovão }

Durante estes três dias, passámos 1 dia em meio com o Zé e o resto do tempo estivemos por nossa conta, a andar muito a pé e apanhar as vans locais de vez em quando. No primeiro dia, fomos extremamente cuidadosos e levámos as nossas máquinas fotográficas em sacos de plástico do supermercado e até algumas notas escondidas nas meias. Mas, ao contrário do que nos tinham dito, depressa percebemos que estávamos a exagerar e que não havia motivo para tanta preocupação. Como não tivemos qualquer problema, nem nunca sentimos qualquer tipo de perigo, acabámos por nos comportar de forma bastante normal e passámos a andar à vontade com as nossas máquinas fotográficas e pertences. Até mesmo à noite.
Possivelmente tivemos sorte, mas só queria dar o meu testemunho de que a segurança no Rio não é tão má como nos tinham dito.

No dia seguinte, apanhámos um voo para Salvador e de lá, um autocarro local (6 horas) para Lençóis, a vila principal da Chapada Diamantina.
Este, foi sem dúvida o autocarro mais confortável que já apanhei na minha vida. De pôr muita classe económica de avião a um canto.
Ficámos alojados na Pousada Vila Serrano, um sítio muito giro, no meio da natureza mas muito pertinho do centro da vila. O pessoal da Pousada, bem como os donos, eram todos super simpáticos e até nos vieram buscar de carro (a nós e às malas) à paragem de autocarro.
Na manhã seguinte, depois de um maravilhoso pequeno-almoço como o das novelas, cheio de fruta fresca e bolos caseiros, saímos para explorar as maravilhas naturais de Lençóis.
Começámos o percurso por nossa conta, mas depressa percebemos que íamos acabar perdidos no meio da selva e por isso decidimos aceitar a proposta de um guia local, que por uma quantia simbólica nos levou a ver todas as cascatas e pontos de interesse e ainda nos levou de volta à vila em segurança.
Neste passeio, vimos os Caldeirões do Serrano, Salão de Areias Coloridas, o Poço Halley, a Cachoeirinha, a Cachoeira da Primavera, Poço da Primavera e  a vista do Mirante de Lençóis.
Terminámos o dia a apreciar a Natureza e a ver os miúdos da terra a descerem no escorrega natural do Riberão do Meio.

{ Caldeirões do Serrano }

{ Caldeirões do Serrano }

{ Salão de Areias Coloridas }

{ Salão de Areias Coloridas }

{ Cachoeirinha }

{ Cachoeirinha }

{ Cachoeira da Primavera }

{ Cachoeira da Primavera }

{ Mirante de Lençóis }

{ Mirante de Lençóis }

{ Ribeirão do Meio }

{ Ribeirão do Meio }

lençóis-8À noite, a vila, apesar de pequena, tem uma boa oferta de restaurantes e bares e além de comida baiana, encontram-se pizzas e outras iguarias.
A vila de Lençóis e arredores, foram cenário da famosa novela “Pedra sobre Pedra“, que foi filmada nos anos 90. Algumas das maravilhas naturais da Chapada Diamantina fazem parte do genérico que todas as noites passava nas nossas televisões, ora vejam lá se se lembram disto (obrigada youtube!)

No nosso último dia por estas paragens verdejantes, fizemos uma visita com uma agência local.
Visitámos o Poço do Diabo, a Pratinha, a Gruta da Lapa Doce e terminámos o dia numa sessão fotográfica meia maluca no cimo do Morro do Pai Inácio.
Foi maravilhoso! Éramos um grupo de apenas 4 pessoas e o nosso guia,o Marcos era super simpático e divertido.

{ Poço do Diabo}

{ Poço do Diabo}

{ Morro do Pai Inácio }

{ Morro do Pai Inácio }

{ Morro do Camelo }

{ Morro do Camelo }

{ Gruta da Lapa Doce}

{ Gruta da Lapa Doce}

{ Floating @ Gruta da Pratinha // Flutuação @ Gruta da Pratinha }

{ Flutuação @ Gruta da Pratinha }

{ Yes, it's Rita, pretending to fly @ Morro do Pai Inácio // Yes, it's Rita a fingir que voa @ Morro do Pai Inácio }

{ Yes, it’s Rita a fingir que voa @ Morro do Pai Inácio }

{ Rita jumping @ Morro do Pai Inácio }

{ Yes, it’s Rita a saltar que nem louca @ Morro do Pai Inácio }

Que não restem dúvidas que a Chapada Diamantina é um sítio muito bonito, muito pouco turístico (embora com todas as condições para receber os visitantes) e super bem preservado.

Eu não estava muito motivada para ir, especialmente quando ouvi falar em caminhadas pelo meio do mato…mas acabei por concordar que este foi o sítio que mais gostei de visitar nestes 10 dias. E adorava voltar!

Depois de 3 dias em Lençóis, apanhámos de novo o super autocarro e regressámos a Salvador e de lá apanhámos um táxi para o nosso resort na Praia do Forte.
Queríamos acabar estas férias no maior conforto possível, descansadinhos a apanhar sol na praia e foi por isso que escolhemos este sítio.
Mas, na verdade, acabou por não ser uma experiência tão relaxante como tínhamos imaginado…muito contribuíram os buffets all you can eat cheios de gente e as muitas pessoas, muito bêbedas na piscina…
Ainda assim, foi bom e divertimo-nos a fazer compras na vila dos pescadores e a visitar o centro de protecção de tartarugas, o Projeto Tamar.

{ Praia do Forte }

{ Praia do Forte }

{ Projecto Tamar }

{ Projecto Tamar }

forte 2 forte 3Por agora, ver estas fotos serviu para me fazer sonhar com o Verão e com temperaturas mais agradáveis e assim, o meu objectivo foi atingido.